Portugal na OTAN - Campos de Acção

Como consequência directa da crescente diversificação do empenhamento operacional em diferentes teatros de operações, geograficamente distantes e com diferentes níveis de risco, as Forças Armadas Portuguesas têm incrementado a sua natureza expedicionária.

Com o objectivo de melhorar a resposta militar nacional, as Forças Armadas têm, ao longo da história e num quadro de modernização que se tem verificado nos últimos anos, assegurado as respostas às novas condições de actuação e criado condições que permitam enfrentar os novos e exigentes requisitos operacionais.

De igual modo e numa lógica de adaptação constante a estrutura militar tem de se ajustar permanentemente à tipologia e condicionalismos da missão, desenvolvendo e assumindo acções de reestruturação que de forma pragmática assegurem a melhoria da eficiência do serviço prestado pelas Forças Armadas.

No domínio dos esforços internacionais para a paz e estabilidade mundial, as Forças Armadas Portuguesas são responsáveis pelo cumprimento dos compromissos assumidos por Portugal no quadro da União Europeia, na OTAN, nas Nações Unidas e na CPLP.

Sob a égide destas Organizações Internacionais as Forças Armadas Portuguesas têm participado desde 1991, de forma ininterrupta, em operações de resposta a crises.

Para o cumprimento destas missões foram empenhados milhares de Oficiais, Sargentos e Praças dos três Ramos das Forças Armadas.